APLV X Intolerância á Lactose – Entenda as Diferenças

35 Flares Facebook 35 Google+ 0 35 Flares ×

alergia-á-proteína-do-leite-de-vaca-aplv

Oi Comadre!

Semana passada , as mamães de filhos alérgicos conquistaram uma vitória e tanto, aqui no Brasil: A Resolução da ANVISA , que obriga os fabricantes a escreverem e destacarem a presença dos principais alergênicos ( causadores de alergia) no rótulo do seu produto, foi publicada no Diário Oficial. Os fabricantes terão 12 meses para se adequarem á nova legislação. Campanha #põenorótulo … ponto prá vocês !! Parabéns! Só quem tem um filho alérgico sabe a importância disso !

campanha #põenorótulo

 

Aqui em casa, só o Pedro veio “premiado” ! As meninas escaparam… O histórico familiar , por aqui, é muito forte: minhas duas irmãs  e meu marido tiveram APLV (alergia á proteína do leite de vaca). Minha irmã do meio quase morreu, chagava a fazer 20 cocôs por dia! ( imagina o que era isso há 30 e poucos anos atrás…) e , meu marido teve edema de glote 2 vezes, até os 8 meses, até que se descobrisse o “porquê”.

Bom , eu queria trazer  aqui , pra você, as características da APLV e  da Intolerância á Lactose , que costumam ser bastante confundidas entre si.

Então , vou te contar tudinho , uma de cada vez.

Vamos lá!

  • APLV (Alergia á Proteína do Leite de Vaca):

O QUE É?

A criança , ao entrar em contato precocemente com as proteínas do leite de vaca, que são partículas bem grandes, e de difícil absorção, o organismo confunde essas proteínas com “agressores”/ “invasores” , e mobiliza o sistema imunológico para “combatê-las”. É isso que acontece numa reação alérgica.

SINTOMAS

A APLV, pode se apresentar como lesões na pele (coceira, feridinhas, descamação do couro cabeludo),

Vômito,

Diarréia, gases e fortes dores abdominais,

Tosse ( bronquite , chiados no peito),

Pequenos sangramentos intestinais.

 

DIAGNÓSTICO

Existe o exame cutâneo e o exame de sangue ( Ig E).

Mas, a clínica, ou seja, a situação e os sintomas do paciente são os maiores instrumentos de diagnóstico.

Ás vezes, num exame de sangue, pode aparecer a “alergia”, mas a criança não apresenta sintomas… ela pode ser apenas sensível ás proteínas presentes no leite de vaca.

Da mesma forma, no teste cutâneo ( aquele que faz na pele, sabe? ), também pode aparecer um resultado positivo, mas, sem a criança apresentar os sintomas.

Ou, como no caso do Pedro, meu filho, não aperecia a alergia dele em nenhum dos 2 exames… e ele tinha uma tosse, uma bronquite que judiava demais dele ! Fizemos e refizemos os exames… e o Pediatra me explicou que , como até os 2 anos de idade, o sistema imunológico ainda está se formando, pode ser que o exame de sangue não consiga detectar a alergia… E , me explicou também , que existe um tipo de alergia que ocorre a nível celular (dentro das células) , que dificilmente conseguimos fazer “aparecer” nos exames! Putz!

Então, quem manda é a clínica, tá? Não se apegue 100% nos exames… e se assegure de ter um ÓTIMO pediatra do seu lado, porque é pedreira…

TRATAMENTO

No caso dos alérgicos, deve haver uma exclusão total de leite, traços de leite, derivados de leite… Independente da quantidade ! uma gota ou 20 litros , a reação é a mesma!O Dr. Francisco brincava que , o Pedro não podia nem ver fotos e imagens de vaca ! rsrs

Brincadeiras á parte ( ufa , já passou…agora ele come de tudo, sem problemas), é MUITO difícil para a mãe e para a criança fazer essa dieta de ZERO leite de vaca! No Brasil, a nossa cultura alimentar, é muito voltada para o leite e seus derivados, e é super complicado fazer as pessoas entenderem… a maioria acha que é frescura e excesso de zelo da mãe! Parentes, funcionárias, escolas, amigos,fabricantes…

Eu já passei por isso !! Eles tratam o assunto com total irresponsabilidade, e depois ficávamos eu e o Pedro, nas madrugadas, fazendo bombinha e inalação… E uma tosse que demorava 10 -15 dias para ir embora!

A APLV, costuma ir melhorando, a partir dos 2 anos, até que vai embora por completo.

Uma informação importante:

As mamães de crianças com quadro severo de APLV, devem ficar atentas com relação á vacina Tríplice Viral fabricada pelo laboratório “Serum Institutte of India Ltd”. Algumas crianças alérgicas apresentaram reações; nada grave , todas estão bem… mas vale prestar atenção.

Algumas outras informações e curiosidades:

  • 1 em 20 lactentes apresentam a APLV,  e as chances aumentam em , até 40 % no caso de histórico familiar positivo;
  • a APLV, se manifesta, na grande maioria dos casos, até 1 ano de idade;
  • o leite de vaca e o leite de cabra têm , por volta de 80% das proteínas em comum( iguais) , ou seja, a grande maioria das crianças que apresentarem a APLV, também vai ter alergia ao leite de cabra( a minha irmã não teve !Inclusive, há 30 e poucos anos atrás, com poucos recursos e opções disponíveis aqui no Brasil, foi o leite de cabra que salvou a vida dela!)
  • No caso de APLV, ou de inflamação /irritação intestinal, não é recomendado o uso do leite de soja, pois 30 % das crianças com APLV, vai apresentar alergia á soja também.
  • O “leite”(fórmula infantil) usado deve ser o hipoalergênico , que tem as suas proteínas super hidrolisadas ( partidas em pedaços menores), o que reduz as chances de desencadear reações alérgicas; e , nos casos mais graves, as fórmulas  devem deve ser não alergênicas, sem a presença de proteínas, mas só dos seus aminoácidos.
  • o aleitamento materno exclusivo, pelo menos até o 4° mês, cientificamente comprovado, que diminui a incidência de APLV.
  • A não ser em casos extremamente graves,não se justifica mexer na dieta da mamãe que está amamentando. Converse com seu pediatra.
  • ATENÇÃO !   Fique de olho nesses produtos e componentes , nos rótulos… eles são derivados de leite :alfacaseína, betacaseína, caseinato, alfalactoalbumina, hidrolisados, betalactoglobulina, aroma de queijo, lactulose, lactose presente em medicamentos), entre outros.

 

ASSISTE AGORA O VÍDEO QUE FIZ SOBRE ESSE ASSUNTO !

https://youtu.be/wioQ6nMHhVY

 

  • INTOLERÂNCIA Á LACTOSE

O QUE É?

A característica da Intolerância é a ausência ou  deficiência de uma enzima intestinal chamada “lactase”.

Essa enzima é responsável por digerir a lactose, que é o açúcar do leite. Como a lactose não é digerida, ela chega inteira ao intestino grosso, e ali, retém água, atrai bactérias que vão fazer uma fermentação no local, o que desencadeia todos os sintomas desagradáveis dessa “doença” ( na verdade não é considerada uma doença, tá?) .

Então, a característica da Intolerância é que ela se localiza no trato gastrointestinal, sem maiores consequências em outros lugares e órgãos.

Ao contrário da APLV, é mais comum em adultos , e costuma se acentuar, ou aparecer mais, com o passar dos anos, conforme envelhecemos.

Existem 3 tipos de Intolerância á Lactose:

1-Deficiência Congênita: Nesse caso , que é mais raro, porém crônico ( sem cura), a criança já nasce sem condições de produzir lactase, por um problema genético.

2- Deficiência Primária: Começa a se manifestar na adolescência, ou na vida adulta e velhice, e se caracteriza por uma diminuição lenta e progressiva na produção da lactase.

3- Deficiência Secundária:Nesse caso , a produção da lactase é afetada por outros fatores transitórios, que podem ser doenças intestinais ( Síndrome de Crohn, diarréias, síndrome do intestino irritável) , doença celíaca, APLV (olha só porque existe muita confusão ! Se fizer um teste , nesse momento, vai aparecer a intolerância, mas  , na verdade é só uma consequência passageira da APLV!) . Alguns tratamentos mais agressivos como quimioterapia/radioterapia também podem causar a deficiência transitória da enzima lactase.

 

SINTOMAS

Distensão Abdominal, gases, cólicas;

Diarréias,

Náuseas,

Ardência e assaduras no bumbum das crianças ( porque o cocô é mais ácido).

Os sintomas costumam aparecer alguns minutos , ou horas depois da pessoa consumir leite/e ou derivados, e passam por completo, depois de algum tempo.

 

DIAGNÓSTICO

Tem um exame de sangue específico, que se chama teste de intolerância á lactose, em que a pessoa recebe, em jejum, uma grande dose de lactose, e depois de algumas horas, colhe-se algumas amostras de sangue, para medir a quantidade de glicose encontrada , que no caso de positivo , permanece inalterada.

Pode ser feito um exame , que mede a quantidade de H ( hidrogênio) que a pessoa solta , ao expirar o ar, e,

também um exame de fezes que mede o P.H .

Só o primeiro é feito pelo SUS.

 

TRATAMENTO

A intolerância não é considerada uma doença ( como eu já falei antes) , e sim uma carência do nosso organismo.

Então, não existe uma medicação específica. O tratamento recomendado é dieta, e pode-se usar suplementos á base de lactase.

Os médicos recomendam que, primeiro se corte 100% do consumo, e, depois, vai introduzindo aos poucos , devagarinho, para ver a quantidade tolerada por cada organismo, sem causar os sintomas tão desagradáveis.

 

Algumas considerações importantes:

Hoje em dia está muito na moda, crucificar o leite e derivados! As dietas para emagrecer, são craques em mandar cortar essa galera da nossa dieta… Mas atenção: o Cálcio é um mineral SUPER HIPER IMPORTANTE seja nas crianças , seja nos adultos , ou seja nos velhinhos ! Então, não quer/pode tomar leite e comer seus derivados, tem que arrumar outras fontes EFICIENTES de Cálcio ( e não adianta usar esses suplementos, viu? O tipo de calcio que eles oferecem é super difícil de ser aproveitado pelo nosso organismo).

  • Dicas de fonte de Cálcio:

verduras de folhas verdes, como brócolis, couves, agrião, couve-flor, espinafre;

feijão, ervilhas;

tofu;

salmão, sardinha, mariscos;

amêndoas, nozes, gergelim;

certos temperos (manjericão, orégano, alecrim, salsa) e

ovo.

UFA ! Tem assunto prá caramba ! Mas, o importante, é você estar atenta e bem informada, para que ,

junto com seu pediatra, possa ajudar o seu filho a passar por isso , da melhor maneira posssível.

Na minha vivência com o Pedro, uma grande preocupação minha era, não fazer ele se sentir “menor” ou “menos” que as outras crianças … ele só era “diferente”! Outra questão que , sem levantar a lebre, eu fiz um esforço danado para trabalhar foi, não criar e despertar nele uma “neurose”, uma “hipocondria”, sabe?

Apesar da minha extrema preocupação e zelo, e com um histórico familiar de arrepiar, eu tentei passar a situação . pra ele, sem gravidade… com uma leveza, e frisar que era uma situação transitória !! “Vai passar” !!

Você está passando por isso , comadre?

Como está sendo sua jornada?

E, seu filho, como reage ás limitações alimentares?

Conta prá mim !

Deixe seu comentário aqui embaixo!

A gente vai se falando !

Bjo e até tags coração

Para  mais informações :

Campanha Põe no Rótulo:

https://www.facebook.com/poenorotulo

Resolução da ANVISA:

http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=52&data=03%2F07%2F2015

 

 

Related Posts

35 Flares Facebook 35 Google+ 0 35 Flares ×

Comments

comments

Speak Your Mind

35 Flares Facebook 35 Google+ 0 35 Flares ×